Capítulo 4
O edito do rei, sonho de uma árvore grande e loucura

 

Nabucodonosor havia recebido outro sonho.Uma vez mais havia ele convocado os homens sábios e, embora dessa vez pudesse lembrar em detalhes o  sonho que havia tido, os homens sábios não lhe  ofereceram  nenhuma  explicação. Talvez estivessem com medo de fazê-lo. Foi exatamente nesse momento que Daniel, o superintendente dos sábios babilônicos, entrou na sala.

Nabucodonosor descreveu novamente o sonho que tivera.Contou que havia contemplado uma árvore magnificente, que se mantinha em tal ritmo de crescimento que por fim pareceu encher toda a terra com sua copa. Apareceu então um vigia que ordenou fosse a arvore então derrubada e desfolhada os seus galhos. Mas o mesmo vigia ordenou também que a árvore não devia ser inteiramente destruída, seu tronco deveria ser deixado entre a "erva do campo",amarrado "com cadeias de ferro e de bronze". 

E Daniel 4 15 a 17 nos relata, "mas o tronco com as suas raízes deixai na terra, atado com cadeias de ferro e de bronze, na erva do campo;seja molhado do orvalho do céu, e sua porção seja com os animais na erva da terra.

Seja mudado o seu coração, para que não seja mais coração de homem, e seja-lhe dado coração de animal, e passem sobre ele sete tempos.

Esta sentença é por decreto dos vigias, e esta ordem  por  mandado dos santos, a fim de que conheçam os viventes que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer, e até ao mais baixo dos homens constitui sobre eles". Daniel reconhece imediatamente o significado do sonho e  fica atônito não por temor mas por espanto. Por sua vez o rei espera o significado do sonho, sabia o rei Nabucodonosor que podia confiar em Daniel plenamente o seu sábio e excepcional conselheiro, então Daniel contou  ao rei o que Deus lhe estava revelando ou seja, que se Nabucodonosor não mudasse os seus caminhos, ele começaria a agir como um animal e seria finalmente enxotado para o campo onde viveria como tal.

Daniel diz ao rei que ele viveria nessa condição até que sete tempos tivessem decorrido, ou seja sete anos.

Seus cabelos não cortados e despenteados cresceriam desordenadamente, até que se assemelha-se a penas de águia.Suas unhas cresceriam e se tornariam mais e mais agudas, até adquirirem a semelhança de garras ou cascos. Mas, igual ao tronco deixado na terra, seu trono seria mantido,tão logo retornasse seu juízo seria restabelecido seu trono e governo.

Ao final Daniel aconselha ao rei "portanto é rei aceita o meu conselho e põe termo em teus pecados pela justiça, e às tuas iniquidades usando de misericórdia para com os pobres; e talvez se prolongue a tua tranquilidade. Daniel 4:27.

Este conselho no sentido de romper com os seus pecados e praticar a justiça pode ter aumentado a ansiedade de Nabucodonosor porque ao terminar seu palácio de verão ele erigira uma placa na qual chamava a atenção ao poderoso sistema de segurança do palácio,"o homem mau e injusto não poderá entrar aqui" declara ele - numa referencia a segurança que o palácio oferecia contra assaltantes e outras espécies de criminosos.

Um ano inteiro se passou e nesse período ele conseguira finalmente subjugar o Egito, quando jovem enfrentara batalhas naquele país com resultados desastrosos, agora, depois  de velho podia ver finalmente o Egito vencido, sem qualquer dúvida Babilônia  era um  poderoso  império. Era de fato  uma cidade   extraordinária.  

Os assírios haviam-na arrasado até ao pó em 689 a.C mas todos queriam a sua reconstrução pois era considerada a casa dos deuses. Nabopolassar pai de Nabucodonosor ajudara a eliminar o que restara da Assíria, a assistira ao novo crescimento da cidade, Nabucodonosor aumentara a cidade em cerca de três vezes.

zes o seu tamanho em relação ao tamanho original, tornando-a assim a maior cidade do mundo.Para se ter uma ideia do que era Babilônia Nabopolassar construirá um palácio, Nabucodonosor três, sendo cada um deles maior e mais luxuoso que seu antecessor, um deles possuía como telhado um jardim constituído por árvores e arbustos exóticos,  de varias terras,  construído em homenagem a esposa de Nabucodonosor, a rainha Amyitis, filha do rei de Medes, que casou-se para estabelecer uma aliança entre as duas nações. Pois esta sentia saudades de sua terra natal, eram os jardins suspensos de Babilônia, uma das sete maravilhas do mundo antigo. 

Mandara  também  construir enormes  muros duplos em torno da cidade, em certos lugares até mesmo muros  triplos,  a  fim de proteger os habitantes e a capital de  seu  império, tudo isso demonstra a a mão poderosa do Senhor Deus que engrandeceu ao rei tornando a cidade de Babilônia a maior de sua época.

E Daniel 4 29 a 33 nos diz: "Ao cabo de doze meses, passeando o rei sobre o palácio real de babilônia disse: não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa real, com a força do meu poder, e para glória da minha majestade? (coitado), ainda estava a palavra na boca do rei, quando desceu do céu uma voz: A ti se diz, ó rei Nabucodonosor: passou de ti o reino serás tirado dentre os homens e a tua morada será com os animais do campo far-te-ão comer erva como os bois e passa-serão sete tempos sobre ti, até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer. Na mesma hora se cumpriu a palavra sobre Nabucodonosor e foi tirado dentre os homens e comia erva como os bois, e o seu corpo foi molhado do orvalho do céu, até que lhe cresceu o cabelo como as penas da águia e as suas unhas como as das aves.

Porem pela misericórdia do Senhor num momento Nabucodonosor se lembra de que tudo que ele é, e que o seu reino se tornou foi pela mão, obra  e  vontade  do único e verdadeiro Deus O SENHOR JEOVÁ, e então é restaurado ao  seu trono e a bíblia nos relata como o rei Nabucodonosor da Glórias e graças ao Senhor Deus em  Daniel 4 versículos 34 a 37.

 


   Home    Estudos Bíblicos    Daniel na Babilônia    Cap. 1    Cap. 2    Cap. 3    Cap. 5    Cap. 6    Cap. 7    Cap. 8    Cap. 9    Cap. 10    Cap. 11    Cap. 12